Subscribe Now

Trending News

Uninter e educação empreendedora: formando profissionais do futuro
Graduação

Uninter e educação empreendedora: formando profissionais do futuro

Você já tem um plano de carreira? Que tal começar a pensar em seus próximos passos? Saiba que a educação empreendedora pode ser a chave para o seu sucesso no futuro, porque ela é capaz de alinhar a prática ao conhecimento.

Como esse é um tema importante para muitas pessoas, conversamos com Elton Schneider, diretor da Escola Superior de Gestão e Negócios, da Uninter. Ao longo do texto, você entenderá o que é esse conceito e como ele pode trazer impactos positivos para a sua carreira. Boa leitura!

O que é educação empreendedora?

De acordo com o especialista, o Ensino Superior atual é visto como algo muito abrangente. Cada vez mais, os alunos devem estar preparados para serem agentes de transformação. Na prática, isso significa ter a capacidade de mudar as realidades pessoal, profissional e social das quais você faz parte.

As metodologias ativas de ensino-aprendizagem, por exemplo, são pensadas para que os alunos sejam ativos não só em suas rotas de aprendizado, mas também em seus processos de transformação. A partir dessa abordagem e da educação empreendedora, diversos elementos são fornecidos para você, mas a responsabilidade sobre a evolução na carreira fica em suas mãos.

“Nas faculdades, quase sempre houve a preocupação de ensinar questões técnicas — o engenheiro aprendia a fazer uma construção; um médico, a operar; e assim por diante. Hoje, é preciso ir além e considerar outros pontos, como o trabalho em equipe, as relações interpessoais e o envolvimento em causas sociais”, explica Elton.

Portanto, mais do que usar metodologias ativas, é preciso desenvolver projetos pedagógicos que estimulem a autonomia e a habilidade de promover transformações distintas.

Quando se fala em empreendedorismo, logo pensamos em empresas e novos negócios, não é mesmo? Porém, quando está aliado à educação, esse conceito não fica restrito ao universo corporativo — ele passa a se relacionar com tudo o que você faz para melhorar uma realidade, seja em sua empresa, na sua família ou no seu bairro. E é aí que a cultura maker se faz presente.

Como funciona a cultura maker?

De maneira resumida, a cultura maker é o modo de agir das pessoas que sabem fazer e têm disposição para mudar. Ela está embasada, entre outros fatores, no livro The Maker Movement Manifesto: Rules for Innovation in the New World of Crafters, Hackers, and Tinkerers, escrito em 2013 por Mark Hatch.

Os principais pilares desse movimento, que integra a educação empreendedora, são:

  • fazer;
  • compartilhar;
  • presentear;
  • aprender;
  • equipar;
  • divertir;
  • participar;
  • apoiar;
  • mudar.

Estas atitudes possibilitam o desenvolvimento de habilidades muito valiosas para a sua trajetória profissional, independentemente do cargo que você ocupa no momento ou pretende ocupar um dia. E para quem deseja se aprimorar em uma carreira de gestão, por exemplo, tais competências são ainda mais relevantes.

É por isso que o gesto de empreender não tem a ver apenas com desenvolver bons negócios — seu significado está ligado às realizações e às transformações em geral. “Os empreendedores são apontados como sinônimos de sucesso e competência porque tiveram ambição e tomaram as atitudes necessárias para fazer acontecer”, reflete o diretor.

CTA-UNINTERPowered by Rock Convert

Como são os projetos pedagógicos focados na educação empreendedora?

“Hoje, vemos ações variadas de professores usando metodologias ativas em salas de aula. Apesar de válidas, essas iniciativas são isoladas — e o curso deve ser elaborado de forma integrada. Os professores precisam trabalhar em conjunto”, comenta Elton.

Existem cursos da Uninter em que, a cada quatro disciplinas, os alunos têm um projeto a ser feito. Nesse cenário, o desenvolvimento de projetos e a aprendizagem baseada na resolução de problemas ganham um espaço de destaque em meio às estratégias pedagógicas. Isso tudo, é claro, nas instituições preocupadas em instrumentalizar os estudantes com um saber prático.

Desse modo, é possível criar um conjunto de disciplinas e projetos para exigir que os alunos ponham a mão na massa a fim de concretizar algo novo, a partir dos conhecimentos obtidos.

Por que a Uninter forma profissionais do futuro?

A relação da Uninter com a cultura maker é ampla e voltada ao mercado de trabalho. Segundo Elton, a instituição pensa em projetos de cursos nos quais os alunos conseguem testar o que aprenderam na prática, encarando desafios similares aos encontrados na carreira.

“Um exemplo disso é o kit de equipamentos que damos para nossos estudantes de jornalismo. Com a modificação do modelo tradicional de mídias, o aluno precisa conseguir fazer certas atividades, como editar vídeo, áudio e imagem. Dessa forma, ele poderá produzir seu material para qualquer empresa, abrindo seu leque de alternativas profissionais”, explica.

O diretor comenta que esses instrumentos servem para que o trabalho seja feito e testado ao lado da aprendizagem. De qualquer modo, cabe ressaltar que a tecnologia de pouco adianta sem que haja um propósito estabelecido — por isso, é preciso realizar!

“Oferecemos laboratórios portáteis, que são kits de equipamentos para que o aluno possa fazer os experimentos em casa. E o nosso ambiente online de aprendizado, chamado Univirtus, vai além das aulas, porque comporta fóruns, leituras complementares e outras atividades”, afirma.

De quais maneiras os alunos da Uninter recebem uma educação empreendedora?

Em primeiro lugar, deve-se levar em conta que os professores da Uninter são preparados para traduzir a experiência acadêmica e profissional que eles têm em resultados concretos para os alunos que estudam a distância na instituição.

“Todo o nosso corpo docente passou por um processo de revisão da atuação como professores. Eles precisaram refletir sobre como fazer um aluno que está longe aprender tudo o que é necessário para a formação. Não à toa, temos um material personalizado e repleto de conteúdo”, conta Elton.

Como a Uninter tem 95% de seus alunos na modalidade de ensino a distância (EAD), a instituição sempre pensa em mecanismos que possam despertar a capacidade de empreender: projetos de curso, kits e trabalhos específicos desenvolvidos especialmente para que você também consiga transformar a realidade ao seu redor.

A educação empreendedora da Uninter foi criada para formar cidadãos e profissionais com vontade de fazer. “Esse é nosso propósito, porque não se trata de apenas oferecer uma disciplina de empreendedorismo, mas sim de pensar em um projeto elaborado e completo nesse sentido”, finaliza o diretor.

E aí, o que você achou do texto? Não perca mais tempo e venha conhecer a Central de Carreiras da Uninter!

Powered by Rock Convert

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *